Este é um blogue livre de pontos de exclamação

Ilustração de Pedro Vieira
Banda sonora
últ. comentários
Olá, estou a estudar Português e eu aconteceram em...
Claro, tinha que ser Nan Goldin! linda foto...
Que excelente descoberta a minha. Este blog é uma ...
Nem o Godot, nem o Supra-Camões, nem o D.Sebastião...
Parabens pelo destaque nos Blogs do sapo
mais comentados
arquivo
subscrever feeds
Terça-feira, 29 de Junho de 2010

 

Via Ciberescritas. Entrevista conduzida por Ramon Mello.



publicado por Senhor Palomar às 08:13
link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Quinta-feira, 24 de Junho de 2010


O Senhor Palomar pergunta-se se alguém acharia mesmo que não convocaria para esta mesa um dos seus amigos de 2666:

 

«Amalfitano é o nome de guerra de um pacifista, o desígnio divino de um ateu. Diz-se que já viveu em Santa Teresa (isto é, Ciudad Juarez; isto é, o inferno na terra), com uma voz alheia dentro da cabeça, um medo doido de perder a filha, um livro pendurado com molas nas cordas da roupa. Ele bem que gostava de ser esse homem frágil, perdido no seu próprio labirinto, mas não é personagem de Bolaño quem quer. O mais certo é que viva no Bombarral. Ou então dorme num carro velho, saco-cama no banco de trás e porta-bagagens a abarrotar de livros. Ou então é um gerente de conta do BES, com uma visão muito peculiar do que é o Espírito Santo (nem queiram saber). Ou então embala bifinhos de peru no talho do Pingo Doce de Alvalade, enquanto se imagina num dos navios do Conrad. Ou então é um comentador desportivo com complexos, por gostar dos livros de W. G. Sebald. Ou então é um intelectual da nossa praça de táxis. Ninguém sabe. Ninguém vai saber. Agora aturem-no.»



publicado por Senhor Palomar às 09:51
link do post | comentar | partilhar

 

Chegou a vez de Molly Bloom se instalar, passe a expressão, no Senhor Palomar. Apresentação pela própria: «Apelidaram-na de Penélope, dupla da mulher de Joyce, Mulher com direito a maiúscula e tudo: Molly Bloom não quer ser mais do que uma Flor da montanha. Tem à cabeceira uns quantos escritores do establishment português e anglo-saxónico, mas não se priva de escapadelas frequentes com géneros de reputação imprópria. Ilusões, não as tem. O seu mundo é o sensual, a sua palavra a do corpo. Logo, ler dá-lhe tanto prazer quanto cortar os dedos nas folhas. (É só por essa razão que os e-readers não hão-de entrar em Eccles Street, pelo menos até neles poder confundir o seu sangue com o sangue do livro.) Sabe pontuar, oh sim!, se sabe. E sabe dizer não.»

 

Imagem acima: Nan Goldin, Sandra in the Mirror, New York City, 1985.



publicado por Senhor Palomar às 08:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quarta-feira, 23 de Junho de 2010

 

Mais um colaborador do Senhor Palomar: «Ninguém sabe por que razão Godot não apareceu à hora combinada. É um mistério que alimenta a escrita, combustão para múltiplos devaneios. Mas essa talvez seja a melhor forma de entender a literatura. Como uma ausência que se pressente, a manifestação do que não se vê, um vazio ou um nada que o leitor tem de preencher. Não há verdades definitivas, nem certezas duradouras. Apenas o prazer da leitura. É isso que o senhor Godot pretende partilhar convosco: momentos de silêncio, ao lado de um livro, de um romance, de um ensaio, de um poema ou de um clássico, filtrados pela acessibilidade da linguagem comum. Tirando as suas leituras, Godot tem pouca história. A sua biografia não apresenta muitos factos de relevo. Faz parte daquela geração que aprendeu a viver entre a épica e a crise iminente. Gosta de ler muitos livros de seguida e de os misturar na cabeça. Tem especial devoção pelos bons tradutores, aprecia edições cuidadas e colecciona obras completas. Diz que sim a muitos encontros. Mas a maior parte das vezes esquece-se de aparecer. Talvez fique a ler. Ou a escrever para este blogue.»



publicado por Senhor Palomar às 08:03
link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Terça-feira, 22 de Junho de 2010

 

"Se eu fosse... Nacionalidades". Ilustrações de Rui Penedo.

 

O lançamento é amanhã, na Fábrica dos Pastéis de Nata, em Belém. Apresentação da doce Carla Maia de Almeida. O Senhor Palomar quer.



publicado por Senhor Palomar às 12:35
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Emma Bovary.


Mais um convidado: Emma Bovary.

 

Apresentação pela própria: «Emma Bovary gosta de ler romances de todo o tipo. Lê livros considerados bons e tem um fraquinho pelos livros dos tops, mal vistos pela crítica e pela blogosfera bem lida e melhor pensante. Madame Bovary não é Gustave Flaubert, apesar de poder, eventualmente, ser casada. Emma Bovary é, com certeza, uma senhora, e não acredita que a literatura corrompe. Segundo Emma, que andará pela casa dos trinta e viveu muito pouco, a humanidade está à partida corrompida e só a ficção pode salvar-nos, na medida em que banaliza os erros e nos aliena e angustia de forma mediada, por vozes entrepostas. No sufoco dos outros, podemos esquecer-nos do nosso e respirar melhor. Madame Bovary também lê poesia, mas não gosta de falar sobre isso. E livros de culinária, mas promete não relatar receitas falhadas.»



publicado por Senhor Palomar às 10:12
link do post | comentar | partilhar

Domingo, 20 de Junho de 2010
K.


K. é o novo colaborador deste blogue. Velho amigo do Senhor Palomar, e numa altura em que o jornalismo português tenta fabricar novos heróis da nossa literatura (como se isso fosse uma justa homenagem ao genial defunto que apenas começou a dar nas vistas depois dos cinquenta), um homem que passou por tão longo, e penoso processo, dará um ar da sua graça e desgraça. Textos do próprio em breve.



publicado por Senhor Palomar às 21:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Sexta-feira, 18 de Junho de 2010
Muito triste.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.



publicado por Senhor Palomar às 13:41
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Terça-feira, 15 de Junho de 2010
Aviso aos 3 leitores deste blogue.

O Senhor Palomar terá novidades para breve. O Senhor Palomar vai abandonar esta casa, mas antes vai enchê-la de amigos. O Senhor Palomar vai continuar, mas em companhia. O Senhor Palomar não pode dizer mais nada, porque os convidados que passarão a ser residentes ainda não fizeram o check in. O Senhor Palomar é como aqueles deputados que falam muito, mas não dizem nada. Agora, o Senhor Palomar vai ali e já vem.



publicado por Senhor Palomar às 19:40
link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

Segunda-feira, 14 de Junho de 2010
Aviso à navegação ou quando o Senhor Palomar quer usar este blogue para fazer filosofia de pacotilha.

As palavras têm destas coisas. Dizer: o teu olhar tem ódio é, já se vê, muito diferente de o teu olhar tem ópio. E, contudo, a separar as frases, apenas uma letra.

 

Por outro lado, se este post fosse retirado de um volume de poesia concretista, todos veriam que basta passar uma tempestade para haver uma inversão da forma (ou dos papéis), pelo que é normal que um d se transformar num p. Ou talvez não se dissesse nada e isto seja simplesmente estúpido.



publicado por Senhor Palomar às 17:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

Quinta-feira, 10 de Junho de 2010
Será o Senhor Palomar um melancómico?

Carla Maia de Almeida parece desconfiar que sim.



publicado por Senhor Palomar às 20:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

pesquisar
 
posts recentes

O movimento dos leitores ...

Freud e Jung, por Cronenb...

Sabor a Brasil.

Amalfitano.

Molly Bloom.

ligações
etiquetas

agradecimentos e referências ao sr. palo(76)

alêtheia(2)

angelus novus(3)

antígona(5)

assírio e alvim(9)

autores(508)

bertrand(7)

bibliotecas(5)

campo das letras(2)

casa das letras(2)

contraponto(1)

da literatura e de outras artes(58)

desaparecimentos(3)

design editorial(2)

divulgação(49)

e agora para algo completamente diferent(9)

edições 70(4)

edições nélson de matos(1)

editorial presença(8)

efemérides(2)

escritor é um bicho violento(6)

estado(1)

eventos(7)

fixações listas tops e directórios do sr(80)

gradiva(3)

guerra e paz(2)

guimarães editores(5)

histórias do livro(53)

leya asa(2)

leya caminho(11)

leya lua de papel(3)

leya oceanos(8)

leya publicações dom quixote(35)

leya teorema(11)

livreiros e livrarias(2)

livro de reclamações(1)

livro electrónico e outros gadgets(10)

livros(188)

manifestos(6)

nova vega(1)

o esplendor de portugal(1)

o senhor palomar agradece(8)

o senhor palomar ainda vai à bancarrota(1)

o senhor palomar confessa-se(34)

o senhor palomar dialoga(2)

o senhor palomar é falível e erra(3)

o senhor palomar entrevista(1)

o senhor palomar está ao serviço da comu(2)

o senhor palomar faz serviço público(1)

o senhor palomar não gosta de dar estas(1)

o senhor palomar recomenda(24)

o senhor palomar reflecte(1)

o senhor palomar responde(1)

o senhor palomar tem dúvidas(16)

o senhor palomar vai a votos(1)

oficina do livro(2)

penguin(1)

planeta(1)

polémicas(54)

porto editora(14)

prémios e distinções(29)

profissionais da edição(9)

quetzal editores(26)

quidnovi(1)

recensão literária(57)

relógio d'água(6)

revistas imprensa magazines(13)

saída de emergência(1)

sextante editora(1)

teatro(2)

tendências e géneros(14)

tinta-da-china(7)

todas as tags